VOCÊ PODE ME AJUDAR?

VOCÊ PODE ME AJUDAR?

Psicologia
Quécili Lódi
Psicologia
CRP 08/26379

O principal desafio é explicar para os familiares e amigos que os pacientes perdem a vontade e isso não significa que os mesmos não se ajudam. Ao contrário das outras doenças, em que geralmente o que os pacientes mais desejam é ficar bem, na depressão as pessoas muitas vezes perdem a vontade de qualquer coisa, inclusive de melhorar. Quem sente uma dor física faz de tudo para que a dor vá embora, porém quem fica deprimido não tem a mesma força para reagir. No caso deles é o próprio querer que está em jogo.

Existem dois erros muito comuns que os familiares e amigos cometem: o primeiro é tentar minimizar os sintomas, insistindo que o paciente “reaja”, “se ajude” de alguma forma. Isso pode ser extremamente negativo, até porque se ele conseguisse reagir não escolheria estar mal. O segundo é tomar o caminho oposto, já que ele não consegue "reagir", "deixá-lo de lado", desistindo dele.

O meio termo, entre o deixá-lo de lado e a insistência, nem sempre é fácil de encontrar. Mas, algo que as famílias podem fazer para encontrar esse equilíbrio é utilizar a empatia como bússola. Tente se colocar no lugar do outro. Então, como podemos ajudá-los?

 

AO INVÉS DE DIZER...

Saia dessa cama!

Quando você vai sair dessa?

Você é muito pessimista!

Pare de drama!

A vida é difícil para todo mundo!

 

DIGA...

Vamos passear.

Conte comigo, estou ao seu lado.

Tudo vai melhorar.

Quero te ver bem, eu te amo.

Eu entendo seu sofrimento.

 

No final das contas, entre tantas dicas, a mais importante e o melhor guia para saber como agir nesses casos é ter amor e empatia pelo outro. Se você está passando por isso ou conhece alguém que está em sofrimento, procure ajuda, indique ajuda, procure um psicólogo.

Vamos cuidar do que é mais precioso, nossa alma, nosso bem mais sublime!