Lesões do Manguito Rotador

Lesões do Manguito Rotador

Ortopedia e Traumatologia
Revista SOS Saúde
IMPRENSA
Matéria de anunciante

Dor no ombro? Você pode ter uma lesão do manguito rotador!

A ruptura do manguito rotador acontece geralmente entre os 40 e 60 anos de idade. Ocorrem de forma degenerativa ou traumática. Os casos de ruptura degenerativa faz a pessoa sentir dores mais leves no início e conforme o tendão vai rompendo, a dor vai aumentando, com piora noturna podendo irradiar-se para região lateral do braço enquanto os de causa traumática a dor surge subitamente após algum esforço ou queda acidental.

A dor que evidenciada nos casos de lesão do manguito rotador está diretamente relacionada ao grau de inflamação local e não ao tamanho da ruptura e geralmente é mais evidente à noite. Outro sintoma evidente nas rupturas do manguito rotador é a crepitação. Ela ocorre pela ruptura da bursa subacromial acompanhada ou não de ruptura parcial ou total do músculo supraespinhal.

O diagnóstico das lesões é composto pela associação de informações que são colhidas através da anamnese, exame físico e de imagem. Essas informações associadas vão possibilitar não só o diagnóstico, mas também traçar planos de tratamento.

A lesão pode ser rotulada de acordo com a duração, sendo desta forma crônica ou aguda. Conforme cada caso pode ser escolhido uma opção de tratamento: conservador ou cirúrgico.

Os casos conservadores são resolvidos com tratamento de reabilitação/reforço da musculatura da cintura escapular e medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios. Já os casos que forem necessários a intervenção cirúrgica para reparo da lesão existem uma infinidade de materiais e técnicas para esta opção de tratamento. Nos dias atuais o padrão ouro para o tratamento cirúrgico é o reparo artroscópico das lesões.

A técnica artroscópica consiste na realização de pequenas incisões no ombro, os “portais”, pois, é por onde introduzimos os materiais artroscópicos para acessar a articulação.

No pós-operatório é recomendado o uso de tipoia por 4-6 semanas e em seguida iniciado o tratamento com fisioterapias. O tempo médio de recuperação varia entre 3 a 6 meses pós-cirurgia.

Lembrando que o perfeito resultado da intervenção cirúrgica do ombro depende de uma equipe multiprofissional onde cada função tem sua relevância no sucesso da cirurgia.

 

Dr. Sergio Mauricio Hack

Ortopedista e Traumatologista, Ombro e Cotovelo

CRM/PR 34382 | TEOT 15975 | RQE 25410


Dr. Ednilson Gonçalves da Rocha Betiol

Ortopedista e Traumatologista

CRM/PR 10576 | RQE 5050