DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM X DISLEXIA

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM X DISLEXIA

Érica Cimadon
Fonoaudiologia
CRFª 9092/RS

Aprender é resultado do conjunto de ações desenvolvidas pelo sistema nervoso a fim de entender e reter na memória o significado de um ou mais estímulos que chegam ao cérebro através dos sentidos (visão, audição, paladar, olfato e tato). A aprendizagem gera transformações cerebrais, de forma anatômica, pois os estímulos captados levam à construção de novas conexões de neurônios, localizadas em diferentes áreas cerebrais.
Hoje em dia muito se fala em dificuldade de aprendizagem, distúrbio de aprendizagem e sobre dislexia. No entanto, existe uma enorme confusão quanto a essas terminologias.
A dificuldade de aprendizagem é algo mais global, abrange as causas da criança, as condições pedagógicas, os métodos de ensino e o ambiente escolar. Já o distúrbio de aprendizagem se refere às dificuldades mais específicas da criança que geram as dificuldades de leitura, escrita e cálculo matemático. A criança não só apresenta dificuldades de interpretação como tem dificuldades para resolver os problemas propostos. O processo de desenvolvimento e aprendizagem está comprometido desde os primeiros anos de vida.
Dislexia
A dislexia é um transtorno de aprendizagem, especificamente na leitura e na escrita, devido a uma incapacidade de associar as letras com os seus respectivos sons. Isso torna a criança incapaz de ler compreendendo o que foi lido. Identificar uma criança com dislexia não é uma tarefa fácil, uma vez que não existe um exame que sirva para o seu diagnóstico. É um distúrbio neurológico de origem congênita que acomete crianças com inteligência normal, sem déficits sensoriais (surdez ou cegueira), com instrução educacional apropriada, mas que apesar de apresentar condições para aprender, não conseguem adquirir ou desempenhar satisfatoriamente a habilidade de leitura e escrita.
Normalmente, este quadro é detectado na fase de alfabetização, devido às dificuldades da criança em aprender o código gráfico (letras) e torna-se muito evidente após o segundo ano escolar.

Como identificar uma criança disléxica?
Algumas crianças já apresentam alguns indícios de dislexia desde muito pequenas, como dificuldades na linguagem e fala.
Como já foi citado anteriormente, o diagnóstico da dislexia não é fácil e requer a avaliação de uma equipe multidisciplinar, composta por fonoaudiólogo, psicopedagogo, psicólogo e neurologista. Algumas características são comuns em disléxicos:
• Confundir letras parecidas (e-c; f-t, m-n, p-q, d-q, b-d, entre outras);
• Inverter sílabas (em-me, sol-los, las-sal)
• Adicionar ou omitir letras;
• Dificuldade para soletrar;
• Dificuldade para aprender a ver as horas;
• Consegue copiar corretamente, mas em atividades de ditado ou redação apresenta grande dificuldade;
• Ser uma criança inteligente e criativa, mas com dificuldades na escrita e leitura;
• Apresenta leitura lenta;
• Apresenta bons resultados em avaliações orais.
Assim como o diagnóstico, o tratamento também deve ser multidisciplinar. O papel do fonoaudiólogo é levantar o perfil fonológico e ortográfico da informação para desta forma, diferenciar as crianças com dificuldade no processo de aprendizagem de leitura e escrita, das crianças disléxicas ou com distúrbio de aprendizagem.
O tratamento deve ser o mais precoce possível e deverá desenvolver estratégias para melhorar o desempenho da criança disléxica em tarefas que exigem leitura e escrita, trabalhar as habilidades comprometidas, além de orientar pais e escola.


Clínica Jeito de Ser
Érica Cimadon | Fonoaudióloga | CRFa 9092/RS
📍Bento Gonçalves/RS  54 3454.4092