ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC)

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC)

Neurologia
Pedro H. Favero Cetolin
Neurologia
CRM/SC 22449

O AVC é a segunda causa de morte no mundo e a primeira de incapacidade. Pode acontecer com qualquer um, em qualquer idade e afeta a todos: pacientes, familiares e amigos.

Mas o que é o Acidente Vascular Cerebral (AVC)?

É definido como o surgimento de um déficit neurológico súbito causado por um problema nos vasos sanguíneos do sistema nervoso central. Tipicamente os sintomas são: fraqueza ou formigamento na face, braço ou perna, especialmente em um lado do corpo; alteração da fala ou compreensão; alteração na visão (em um ou ambos os olhos), no equilíbrio ou coordenação, tontura ou alteração no andar e dor de cabeça súbita e intensa sem causa aparente. O reconhecimento dos sinais de alerta é importante para o rápido tratamento, diminuindo a chance de sequelas.

Classicamente o AVC é dividido em 2 subtipos:

AVC Isquêmico: Ocorre pela obstrução ou redução brusca do fluxo sanguíneo em uma artéria cerebral causando falta de circulação em alguma região cerebral.

AVC Hemorrágico: Causado pela ruptura espontânea (não traumática) de algum vaso, com extravasamento de sangue para o interior do cérebro.

Neste ano a campanha “Don’t be the One” (“Não Deixe que Seja Você”) da Associação Mundial contra o AVC que ocorreu entre os dias 26/10 a 03/11/19 visou aumentar a conscientização sobre o risco individual de AVC que segundo estudos recentes aumentou e agora é de 1 pessoa em cada 4.

A prevenção porém pode evitar 90% dos casos!

Confira seis passos que qualquer pessoa pode seguir para reduzir o risco de um AVC:

• Conheça os seus próprios fatores de risco: pressão alta, diabetes, colesterol alto, problemas de coração;

• Faça atividade física regularmente;

• Mantenha uma dieta rica em frutas, vegetais e com pouco sal;

• Limite o consumo de álcool;

• Evite o hábito de fumar. Se você é fumante, procure ajuda e pare imediatamente;

• Aprenda a reconhecer os sinais de alerta do AVC. Se presentes não espere melhorar. Procure atendimento médico de urgência.

Não deixe que seja você. Juntos todos podemos evitar o AVC!